Translate

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Carlos Marighella X Sistema




      Carlos Marighella, baiano de grandes ideias  revolucionárias de esquerda, foi um dos principais nomes da luta comunista no Brasil durante o Regime Militar e autor  de vários livros, mas pouco se fala em   Marighella , pois a sua imagem como a de todos que lutavam contra o sistema foi criminalizada na época.
      O início de sua trajetória Política se deu no ano de 1930 na  cidade de Salvador como Militante profissional do PCB. Quando houve a instalação do Estado Novo que era um modelo Ditatorial  De Getúlio Vargas. Marighella como outros comunistas da época foi preso e torturado sendo libertado somente em 1945 com a queda do Governo de Varguista.
       Com o início do período Democrático seu partido voltou e Marighella foi eleito deputado Federal pelo PCB da Bahia , mas  o partido comunista foi novamente criminalizado o que o levou  a militar na clandestinidade, e  o levou passar  um período de 4 anos na China a convite do Comitê Central Comunista Chinês para troca de experiências  dos modelos revolucionários.


      Com o início da Ditadura Militar,  Carlos Marighella entrou em divergências políticas com membros do seu partido que o levou a desfiliação. Dois anos após a sua desfiliação Marighella fundou a ALN (Ação Libertadora Nacional) foi uma das maiores organizações de guerrilha urbana contra  ditadura Militar e o imperialismo, incentivou outros grupos  escrevendo livros e folhetins com ensinamentos de táticos de guerrilha urbana.
 Em destaque está o Manual do guerrilheiro Urbano que foi traduzido para vários idiomas:
 
       Marighella foi delatado por alguns de seus aliados e foi assassinado em uma emboscada preparada pelo "famoso" sistema de repressão de São Paulo comandada pelo delegado Sérgio Fleury no dia 4 de novembro de 1969, época que a ditadura estava fortalecida e Marighella estava no auge de sua Militância.

Jornal noticiando morte de Marighela.

      O presidente da comissão da verdade de São Paulo disse que "Marighella foi um grande Vulto que influênciou sua geração na luta pela democracia." Se Marighella estivesse vivo  talvez poderia ser mais que um grande Militante. 
      É importante destacar que todos os grandes líderes que influenciavam na luta por uma sociedade mais justa sofreram  perseguições Midiáticas criminalizando o militante e pelos que se travestia com escudos da lei usando de força bruta ou brechas da lei que os permitia atacar. Vivemos nos dias atuais perseguições semelhantes mas sem  a presença das atrocidades cometidas pela ditadura Militar mas ainda temos algumas repressões mais brandas como forma de intimidação dos movimentos sociais que levanta a bandeira contra a corrupção e propostas governamentais que vão contra os interesses da maioria.

      Deixo aqui essas quatro imagens para uma grande reflexão sobre Perseguição da grande Mídia ontem e hoje.O sistema não muda , o que muda são épocas e formas de manipular a opinião pública.



Quero lançar um desafio a todos os leitores , deixar nos comentários nomes de líderes de esquerda que NÃO sofreram perseguições Midiáticas ou políticas.

Conto com a interação de todos! 
Elisa Ramos

O MUNDO CONECTADO COM O LIVRE DA CAVERNA